terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Sobre nosso atual modelo de escola

         Neste post, vou comentar um vídeo bacana e que apesar da simplicidade, aborda uma mudança profunda em nosso modelo atual de educação.
         Existe até uma piada sobre isso: Se pudéssemos transportar do século XVII para os dias de hoje alguns profissionais como um médico, um engenheiro e um professor as reações seriam as seguintes - o médico provavelmente ficaria aturdido com os avanços da nossa medicina, o engenheiro maravilhado com as magias da engenharia atual e o professor, bem este não teria problemas, pois a sala de aula lhe seria extremamente familiar, já que não mudou praticamente nada em 2 séculos.
         Sou totalmente partidário de um novo modelo de educação, não só com relação a abordagem sobre tecnologia, mas é minha opinião sobre todo o aspecto de linha de produção que tem a escola atual.
         Paulo Freire ainda estaria longe de se sentir realizado. Mas quem sabe Rubem Alves não tenha encontrado sua escola ideal e talvez a nossa também. Me refiro a Escola da Ponte, em Portugal. Mas isto será tema para outro Post
        Assistam o vídeo e tomem um tempo para refletir sobre. E se sobrar mais um tempo, compartilhe conosco suas impressões deixando anotado nos comentários.


Abraço

Um comentário:

  1. Só faltou você mencionar se o modelo de sociedade que temos hoje seria compatível. A medicina avançou, a engenharia avançou, mas a massa ignorante, não. Aliás, o legado de lutas e conquistas do passado, com suor e sangue, deixado para este século foi totalmente distorcido, mal interpretado, destruído, aproveitado maliciosamente por este modelo "democrático" de sociedade tão almejado. Não se pode confundir ciências e tecnologias estudadas e testadas a longo prazo tais como vacinas, remédios e engenharias com o comportamento humano, sua mentes, vontades e crenças. A escola pode mudar o que for, buscando um modelo mais antigo ou "viajando no futuro" para achar o modelo ideal. Se o pensamento for de colonizador, pobre, aproveitador, assistencialista, sem trabalho, sem suor, sem deveres (aqui os direitos ultrapassam os deveres e não pode), nenhum modelo de escola vai adiantar. Estamos aí com o processo de "universalização e erradicação do analfabetismo". É usado todo tipo de tecnologia para atrair, intelectualizar e avançar o aluno. Pergunto-lhe: Tem funcionado? Se algum professor falar que sim, é um mentiroso, corrupto. Os alunos empurrados ano após ano, sem saber nada, até chegar ao superior que também tem sido corrupto, dando graduação presencial e à distância para pessoas que nem estudaram direito, nem fizeram provas direito, nem apresentaram TCC. Estas teses de doutorados e tecnologias, que visam melhorar a nossa educação, precisam ser revistas e estudadas demasiadamente antes de serem aplicadas, pois não são vacinas, remédios, pontes, navios, submarinos, prédios, etc. A educação visa preparar os alunos para descobrirem suas habilidades e aptidões e se transformarem nestas pessoas que fazem a diferença. Não é mudando modelos e salas que tudo vai mudar não. Universidades particulares que usam edifícios e tecnologias maravilhosas não chegam aos pés da USP com aquelas salas ultrapassadas e arcaicas. Só para concluir: não é o modelo de escola que está ultrapassado, é o modelo de sociedade que colocaram nela que não tem aptidão para os estudos. Se fossem cobrados ferozmente os deveres do cidadão antes de dar-lhe direitos, tudo poderia ser diferente, mas... Esta é apenas minha humilde opinião. Obrigado!

    ResponderExcluir